quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Pelo 2º ano consecutivo, população de 13 cidades de MS encolhe, diz IBGE


Maior queda foi em Novo Horizonte do Sul, com 3,09%.
Em Taquarussu número de moradores está estagnado desde 2014. 

Anderson ViegasDo G1 MS
Pelo segundo ano consecutivo, a estimativa populacional divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) aponta que em 13 cidades de Mato Grosso do Sul o número de habitantes está encolhendo.
Conforme o IBGE, o quadro de retração registrado na estimativa de 2015 se repetiu nos números de 2016, que foram divulgados nesta terça-feira (30), no Diário Oficial da União, para as cidades de:Bodoquena (de 7.898 habitantes para 7.859). Brasilândia (de 11.903 para 11.884), Camapuã (de 13.731 para 13.712), Fátima do Sul (de 19.220 para 19.200), Glória de Dourados (de 9.992 para 9.976), Guia Lopes da Laguna (de 10.136 para 10.063), Inocência (de 7.664 para 7.641), Jateí (de 4.038 para 4.031), Nioaque (de 14.233 para 14.162), Novo Horizonte do Sul (de 4.306 para 4.173), Pedro Gomes (de 7.794 para 7.738), Rio Negro (de 4.910 para 4.871) e Sete Quedas (de 10.832 para 10.811).
Percentualmente a maior redução no número de moradores entre essas 13 cidades do estado entre ano passado e este, conforme o instituto, ocorreu em Novo Horizonte do Sul. Com 133 habitantes a menos entre um ano e outro, a retração foi de 3,09%.
Além deste grupo, outra revelação dos dados do IBGE é que há três anos o número de pessoas que mora em Taquarussu permanece o mesmo. Desde 2014, a estimativa é que o município tenha 3.570 habitantes.
Nos outros 65 municípios sul-mato-grossense o instituto aponta que a quantidade de moradores aumentou. Em números totais, o maior crescimento foi registrado em Campo Grande. A capital do estado ganhou 10.360 moradores entre 2015 e 2016, passando de 853.622 para 863.982 habitantes, um incremento de 1,20%.
Já percentualmente, os maiores índices de incremento foram registrados por cidades do interior, polos da agropecuária. Em primeiro, Sidrolândia, com 3,15%, de 51.355 para 52.975 moradores, depois vem Chapadão do Sul, com 2,93%, de 22.620 para 23.284 e em terceiro aparece Nova Alvorada do Sul, com 2,85%, passando de uma população de 19.656 pessoas para 20.217.
Veja abaixo população estimada pelo IBGE em cada município de Mato Grosso do Sul:

Água Clara - 14.734
Alcinópolis - 5.114
Amambai - 38.030
Anastácio - 24.852
Anaurilândia - 8.885
Angélica - 10.304
Antônio João - 8.744
Aparecida do Taboado - 24.745
Aquidauana - 47.323
Aral Moreira - 11.586
Bandeirantes - 6.783
Bataguassu - 22.084
Batayporã - 11.228
Bela Vista - 24.223
Bodoquena - 7.859
Bonito - 21.267
Brasilândia - 11.884
Caarapó - 28.867
Camapuã - 13.712
Campo Grande - 863.982
Caracol - 5.906
Cassilândia - 21.685
Chapadão do Sul - 23.284
Corguinho - 5.622
Coronel Sapucaia - 14.916
Corumbá - 109.294
Costa Rica - 19.835
Coxim - 33.231
Deodápolis - 12.712
Dois Irmãos do Buriti - 11.049
Douradina - 5.775
Dourados - 215.486
Eldorado - 12.176
Fátima do Sul - 19.200
Figueirão - 3.020
Glória de Dourados - 9.976
Guia Lopes da Laguna - 10.063
Iguatemi - 15.738
Inocência - 7.641
Itaporã - 23.220
Itaquiraí - 20.401
Ivinhema - 22.975
Japorã - 8.702
Jaraguari - 6.940
Jardim - 25.617
Jateí - 4.031
Juti - 6.476
Ladário - 22.228
Laguna Carapã - 7.097
Maracaju - 44.042
Miranda - 27.316
Mundo Novo - 17.994
Naviraí - 52.367
Nioaque - 14.162
Nova Alvorada do Sul - 20.217
Nova Andradina - 51.764
Novo Horizonte do Sul - 4.173
Paraíso das Águas - 5.251
Paranaíba - 41.626
Paranhos - 13.674
Pedro Gomes - 7.738
Ponta Porã - 88.164
Porto Murtinho - 16.686
Ribas do Rio Pardo - 23.526
Rio Brilhante - 35.465
Rio Negro - 4.871
Rio Verde de Mato Grosso - 19.515
Rochedo - 5.300
Santa Rita do Pardo - 7.682
São Gabriel do Oeste - 25.443
Selvíria - 6.469
Sete Quedas - 10.811
Sidrolândia - 52.975
Sonora - 17.941
Tacuru - 11.160
Taquarussu - 3.570
Terenos - 20.387
Três Lagoas - 115.561
Vicentina - 6.034
Postado por Carlos PAIM

quinta-feira, 12 de maio de 2016

BOM DIA MS NO PAINEL DE BLOGS DA FUNDAÇÃO PORTAL DO PANTANAL 
http://g1.globo.com/mato-grosso-do-sul/bom-dia-ms/videos/

Postado por: Ygor I. Mendes

quarta-feira, 4 de maio de 2016

Cobertura vacinal em MS ainda é subnotificada, explica Saúde


Nesta quarta-feira, cobertura é de 30%, em MS.
A Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso do Sul informou, por meio da assessoria de imprensa, que o índice baixo de cobertura vacinal informado nesta terça-feira (03) pelo Ministério da Saúde se deve às dificuldades de municípios em atualizarem o sistema.
Mato Grosso do Sul, conforme tabela informada pelo Ministério, figura como a segunda Unidade da Federação com o menor índice: 20,6%, atrás somente de Roraima, 19,6%. A média nacional, na ocasião de fechamento dos dados, era de 43% da população prioritária, que são profissionais desaúde, crianças entre seis meses e cinco anos incompletos, gestantes, indígenas, pessoas com doenças crônicas e as privadas de liberdade. O total de doses destinadas ao Estado para a campanha de 2016 é de 722.200, mas ainda são esperados 30% deste volume.
Os dados atualizados nesta quarta-feira (04) pelo Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações já apontam 30,27% de cobertura em Mato Grosso do Sul. Entre o público prioritário, a maior taxa de cobertura é de puérperas (40,35%), seguidas de profissionais de saúde (37,97%). A cobertura vacinal de indígenas é a menor (5,29%). Um dos exemplos mencionados pela SES é justamente Dourados, que concentra uma das maiores reservas indíginas, município em que há defasagem de pessoal para a alimentação dos bancos com agilidade, após as ações de vacinação nos polos.
Campo Grande News
Postado por: Ygor Mendes Iavdosciac

.

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Caravana da Saúde promete 2 mil cirurgias oftalmológicas até dia 30

Priscilla Peres
Atendimentos acontecem de hoje até o dia 30.
(Foto: Jessica Barbosa)Atendimentos acontecem de hoje até o dia 30. (Foto: Jessica Barbosa)
A 5ª edição da Caravana da Saúde começou nesta terça-feira (25) em Nova Andradina - distante 300 km da Capital, com o objetivo de realizar 1.100 consultas gerais e 2 mil cirurgias oftalmológicas. No domingo (30), acontece o dia D de atendimentos. De acordo com o governo do Estado, realizador da Caravana, estão previstas 1.100 consultas gerais, 5 mil consultas oftalmológicas, 2 mil cirurgias oftalmológicas e 240 cirurgias gerais com especialidades em cirurgia geral, ortopedia e ginecologia. As consultas oftalmológicas começaram hoje e serão realizadas no pátio do Estádio Luiz Soares Andrade, onde as carretas da Caravana estão montadas e também local do Dia D no dia 30 de agosto. Também serão realizados exames, entre eles estão: ultrassom, endoscopia, tomografia, eletrocardiograma e ultracefalogramas. Já as cirurgias gerais, já agendadas, serão realizadas no Hospital Regional de Nova Andradina. No domingo, a Caravana também contará com os atendimentos das instituições parceiras como Hemosul, Procon, Tribunal de Justiça, SESI, Ministério Público, Polícia Civil,Corpo de Bombeiros estre outros. Durante quase uma semana, sete municípios atendidos, sendo Angélica, Anaurilândia, Bataiporã, Ivinhema, Nova Andradina, Novo Horizonte do Sul e Taquarussu. O programa Caravana da Saúde já soma mais de 4 mil cirurgias realizadas ao longo de suas quatro edições. O atendimento passará pelas 11 microrregiões de Mato Grosso do Sul, com o objetivo de reduzir o numero da fila de espera para os diversos procedimentos de saúde, além de levar a reestruturação dos serviços de saúde como estratégia de melhoria dos atendimentos à população de cada região visitada.

domingo, 9 de agosto de 2015

Aumenta o cerco aos caminhões poluidores

Jorge Cardoso/MMA
Fumaça tóxica: risco ao homem e ao ambiente
Ibama e Polícia Rodoviária Federal reforçam operações nas estradas para evitar fraudes no aditivo Arla 32, que minimiza o lançamento dos óxidos de nitrogênio na atmosfera
Por: Paulenir Constâncio e Rafaela Ribeiro – Editor: Marco Moreira

A Polícia Rodoviária Federal e o Instituto do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) intensificarão as operações nas estradas para coibir o boicote dos caminhoneiros ao Arla 32, aditivo que minimiza os óxidos de nitrogênio (NOx) emitidos pelos motores a diesel. O uso é obrigatório devido aos altos níveis de poluição atmosférica provocados pelo gás, que causa graves danos à saúde humana e ao meio ambiente nas grandes cidades. A ação já ocorreu em dois Estados nos meses de maio e junho, com resultados bastante significativos.
O trabalho em campo mostra que os motoristas de caminhão têm consciência, mas insistem na prática desse tipo de crime ambiental. Para reduzir seus custos, se arriscam até mesmo a ter o caminhão apreendido e pagar multas pesadas, superiores a R$ 50 mil.
ECONOMIA IRRISÓRIA
O Ibama já aplicou mais de R$ 300 mil em multas e apreendeu 23 veículos. Alguns ainda estão nos pátios dos órgãos fiscalizadores aguardando a quitação das infrações. Não utilizar o Arla 32, além de ser uma economia irrisória no custo total do transporte, leva a prejuízos futuros previsíveis aos proprietários de caminhões, além da perda da garantia do veículo por parte das concessionárias e montadoras.
Nessa quarta-feira (04/08), em Brasília, técnicos de órgãos envolvidos na regulamentação das emissões atmosféricas e na coordenação do Programa de Controle da Poluição Veicular por Veículos Automotores (Proconve) (Ministério do Meio Ambiente, Ministério da Saúde, Ibama, Polícia Rodoviária Federal, Cetesb-SP, INEA-RJ, INMETRO, ANP, entre outros) definiram a estratégia de controle das emissões de NOx, que incluem ainda três outras medidas.  A ideia é fechar o cerco para evitar as fraudes responsáveis pela poluição.
De acordo com a diretora de Qualidade Ambiental do MMA, Letícia Carvalho foi decidido o que será feito de agora em diante. “Além de intensificar a fiscalização nas estradas, o que já vem dando bons resultados, devemos levar os Estados a implantar, o mais rápido possível, os programas de inspeção veicular”, disse.
Criados pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) como uma obrigação dos Estados no âmbito do Proconve, o programa só está em operação no Rio de Janeiro. Os órgãos estaduais de fiscalização analisam as emissões dos motores, medindo o nível de concentração dos poluentes, inclusive dos NOx, e podem indicar se há ou não a correta manutenção do veículo.
NOVA TECNOLOGIA
Outra medida estudada é o aperfeiçoamento da tecnologia atual dos computadores de bordo que registram o que ocorre com os motores em sua vida útil. Os técnicos da indústria automobilística já estão estudando o assunto. Isso pode permitir que os órgãos fiscalizadores detectem as fraudes pelo dispositivo. Produtos semelhantes ao Arla 32 são utilizados mundialmente para o controle dos NOx.
Segundo o gerente de Qualidade do Ar da Secretária de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano do Ministério do Meio Ambiente, Rudolf Noronha, é preciso que cada um faça a sua parte para eliminar o problema dos NOx.
Estima-se que seja um dos principais problemas de saúde pública nas grandes cidades brasileiras. É um gás poluente com ação altamente oxidante, sua presença na atmosfera causa a formação do ozônio troposférico, que pode levar ao aumento de internações hospitalares, decorrente de problemas respiratórios, problemas pulmonares e alergias. No ambiente, pode levar a formação de chuvas ácidas. Além disso, tem um importante efeito nas mudanças do clima, agravando o efeito estufa. O Conama, por meio do Proconve, vem impondo à indústria automobilística limites de emissão de poluentes cada vez mais rigorosos, desde 1986. A utilização do Arla 32 pelos caminhões e ônibus é necessária desde 2012, quando se iniciou a Fase P7 do programa, com limites para os NOx extremamente rígidos para os veículos que utilizam óleo diesel.
Assessoria de Comunicação Social (Ascom/MMA) – (61) 2028.1165

quarta-feira, 22 de julho de 2015

Butantã diz que prazo para vacina da dengue está mantido para 2016

Lígia Formenti

Dengue pelo Brasil 63 fotos

55 / 63
29.abr.2015 - Agentes da Secretaria Municipal de Saúde realizam análise e limpeza de imóvel após entrada compulsória no bairro do Flamengo, zona sul do Rio de Janeiro (RJ). A atividade integra as ações da prefeitura de combate à dengue em toda a cidade Tânia Rego/Agência Brasil
Brasília - O Instituto Butantã informou por meio de nota que as exigências feitas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no processo para liberação da fase 3 da vacina contra dengue não vão alterar o cronograma do projeto. O instituto informou que o prazo estabelecido para produção da vacina para 2016 está mantido.
Há alguns dias, a Anvisa devolveu o pedido de autorização da fase 3, fazendo algumas exigências. Enquanto as solicitações da agência não forem atendidas, a liberação para nova etapa do estudo não pode ser concedida.

A análise do pedido para início da fase 3 foi feita em caráter emergencial pela Anvisa, a pedido do próprio instituto. Nesse processo, a agência solicitou informações adicionais. O Instituto não informou a natureza das informações solicitadas ou quando tais dados serão fornecidos para a Anvisa. Mas, em nota, observou que a solicitação de dados adicionais são comuns nesses processos.

O instituto garantiu que o cronograma está sendo seguido à risca e que ainda em 2016 a vacina poderá ser entregue à população brasileira. Uma previsão diferente da que foi feita pelo ministro da Saúde, Arthur Chioro, na quarta-feira. Durante audiência pública, o ministro afirmou que, em um cenário otimista, a vacina do Butantã estará disponível somente em 2018.

"Temos o maior interesse de que o produto esteja disponível rapidamente, mas temos de ser francos", disse o ministro aos parlamentares. Chioro justificou suas previsões em dois pontos. Ele lembrou ser necessária a conclusão da fase 3 da pesquisa, cujo início ainda não foi nem mesmo liberado, e a construção de uma área industrial somente para produção da vacina, quando todas as etapas já tiverem sido cumpridas. "Se tudo der certo, a construção da fábrica começará em agosto. Se tudo der certo, ela será concluída em julho do ano que vem."


 

Veja também

sábado, 11 de julho de 2015

Nossa Senhora Aparecida é a padroeira de Taquarussu


Saiba quais são os padroeiros dos demais Municípios de Mato Grosso do Sul


Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Relação dos padroeiros do estado1 e dos municípios2 de Mato Grosso do Sul.


Local Padroeiro
Água Clara Sagrado Coração de Jesus
Alcinópolis Nossa Senhora Aparecida
Amambai Nossa Senhora Auxiliadora
Anastácio Nossa Senhora de Lourdes
Anaurilândia São João Batista
Angélica São Pedro Apóstolo
Antônio João Nossa Senhora do Perpétuo Socorro
Aparecida do Taboado Santo Antônio
Aquidauana Nossa Senhora da Imaculada Conceição
Aral Moreira Nossa Senhora Aparecida
Bandeirantes Nossa Senhora Aparecida
Bataguassu São João Batista
Batayporã Santo Antônio
Bela Vista Santo Afonso
Bodoquena Nossa Senhora do Perpétuo Socorro
Bonito São Pedro
Brasilândia Bom Pastor
Caarapó Bom Jesus
Camapuã São João Batista
Campo Grande Santo Antônio de Pádua
Caracol Nossa Senhora do Perpétuo Socorro
Cassilândia São José
Chapadão do Sul São Pedro Apóstolo
Corguinho São Judas Tadeu
Coronel Sapucaia Nossa Senhora da Imaculada Conceição
Corumbá Nossa Senhora da Candelária
Costa Rica Santo Antônio
Coxim São José
Deodápolis Nossa Senhora Aparecida
Dois Irmãos do Buriti Nossa Senhora do Rosário
Douradina Nossa Senhora Aparecida
Dourados Nossa Senhora da Imaculada Conceição
Eldorado Nossa Senhora Aparecida
Fátima do Sul Nossa Senhora de Fátima
Figueirão Nossa Senhora da Abadia
Glória de Dourados Nossa Senhora da Glória
Guia Lopes da Laguna Nossa Senhora da Guia
Iguatemi Nossa Senhora da Imaculada Conceição
Inocência Bom Jesus da Lapa
Itaporã São José
Itaquiraí Nossa Senhora do Perpétuo Socorro
Ivinhema São Paulo Apóstolo
Japorã Nossa Senhora Aparecida
Jaraguari Santa Rita de Cássia
Jardim Santo Antônio
Jateí São Pedro
Juti Santa Luzia
Ladário Nossa Senhora dos Remédios
Laguna Carapã Cristo rei
Maracaju Nossa Senhora Aparecida
Mato Grosso do Sul Nossa Senhora da Abadia (todo o território estadual)
Miranda Nossa Senhora do Carmo
Mundo Novo Nossa Senhora das Graças
Naviraí Nossa Senhora de Fátima
Nioaque Santa Rita de Cássia
Nova Alvorada do Sul São Cristóvão
Nova Andradina Imaculado Coração de Maria
Novo Horizonte do Sul Nossa Senhora Aparecida
Paraíso das Águas
Paranaíba Santa Ana
Paranhos São João Batista
Pedro Gomes São Sebastião
Ponta Porã São José
Porto Murtinho Sagrado Coração de Jesus
Ribas do Rio Pardo Nossa Senhora da Conceição
Rio Brilhante Divino Espírito Santo
Rio Negro Nossa Senhora de Fátima
Rio Verde de Mato Grosso Nossa Senhora Auxiliadora
Rochedo São Sebastião
Santa Rita do Pardo Santa Rita de Cássia
São Gabriel do Oeste São Gabriel Arcanjo
Selvíria São João
Sete Quedas Nossa Senhora do Perpétuo Socorro
Sidrolândia Nossa Senhora da Abadia
Sonora Nossa Senhora Aparecida
Tacuru São Sebastião
Taquarussu Nossa Senhora Aparecida
Terenos Santo Antônio de Pádua
Três Lagoas Santo Antônio de Pádua
Vicentina Santa Terezinha